28 de março de 2008

O que havia dentro da bolsa.

Naquela noite, abri o guarda-roupa e lá estava ela. Aquela bolsa que me acompanhou durante tanto tempo. Alí guardei meus maiores segredos. Guardei meus amores, escondi meus medos, enfiei um monte de pensamentos - tanto bons quanto ruins, sobre tudo e todos. Alí ficavam as minhas opiniões e era muito difícil mudá-las ou trocá-las de lugar. Nos bolsinhos da frente estavam sorrisos e lágrimas. Tudo muito escondido pra ninguém encontrar.
Poucos sabiam da existência da bolsa... Eu precisava confiar muito em alguém para contar algum detalhe sobre o que eu guardava alí dentro. Mas tinha uma coisa que nem eu tinha muita coragem de mexer. Bem no fundo, embaixo das idéias, das lembranças e das fotos, escondido de tudo e todos estava o meu coração. Confesso que, às vezes eu tentava mudá-lo um pouco, deixá-lo diferente e muitas vezes tentei persuadí-lo a fazer algo que eu queria. Tudo em vão. O coração escolhe o seu próprio caminho e determina o seu jeito de agir e pensar.
Até que, um dia, ele me pediu pra ver a bolsa. Relutei um pouco... Oras! Era preciso muita confiança pra ir mostrando minha bolsa assim... "Mas, tudo bem", pensei. "Vou mostrando só as coisas legais. Daí ele fica feliz e deixa a minha bolsa de lado". Mostrei minhas idéias, meus sonhos, minhas alegrias, minhas fotos e meus pensamentos bons.
Achei que era o suficiente, mas ele não. "Tudo bem, só mais um pouco... Depois ele me deixa em paz". Mostrei minhas tristezas, meus medos e meus pensamentos maus. Ele disse, então, que me ajudaria com tudo isso. Que eu não precisava mais me preocupar. Aí fiquei feliz. "Ah! Que bom! Que alívio! Agora isso tudo não fica mais escondido aqui e posso contar com ajuda...". Realmente foi um grande alívio... Então me levantei e fui guardar a bolsa.

Ele com sua voz firme porém doce me pediu aquilo que eu tanto temia. "Posso ver o que está bem no fundo da bolsa?". Fiquei sem fala por um bom tempo. Uma angústia muito grande tomou conta de mim. Ele queria ver meu coração!!! Meu coração. MEU! Mas pra quê? Era o meu coração. "Ele não tem nada a ver com o que se passa no meu coração", pensei. E ele continuou alí me encarando com aquele olhar amoroso. Aquele olhar que não conseguimos nos afastar. E, por causa dele, não resisti. Joguei a bolsa do seu colo e comecei a chorar.
Ele, então, abriu a bolsa e tirou de lá meu coração. Ele estava um tanto sujo e mal cuidado. Tinha lascas, feridas e cortes. Mas pulsava com muita força, impulsionado pelos maiores sonhos que ficavam no seu interior. Ele foi, então, tocando cada pedacinho rachado e ferido. E eu fui sentindo dor. Mas era uma dor suportável e que, quando passava dava uma ENORME sensação de alívio. Enquanto ele cuidava dos ferimentos eu percebi o que devia fazer. Olhei-o de novo nos seus olhos e pedi. "Por favor, fique com meu coração. Nunca ningúem cuidou dele como você. Nunca minhas feridas e rachaduras foram tão bem cuidadas. Pegue pra você e cuide dele."
"Seu coração continuará com você, mas eu continuarei cuidando dele. Dia após dia você deve me chamar e deixá-lo em minhas mãos pra que eu possa tratá-lo. Isso às vezes vai doer muito, mas você será forte. Às vezes, vai levar um certo tempo para sarar alguma ferida, mas você será perseverante. Pois é na tua fraqueza que eu opero fortaleza", ele me disse. E, então, entregou-me meu coração que já estava com bem menos lascas e feridas e, agora, tinha um selo onde estava escrito o Seu nome.
Desde então, tenho o chamado dia após dia para tratar das novas lascas e feridas que aparecem. Ele vem e as cura, às vezes até dói, mas nele sou forte. Às vezes até demora, mas o seu amor me faz perseverar. Mas, apesar de tudo, meu coração está sempre pulsando e cada vez mais forte com os novos sonhos que ele me dá.

16 de março de 2008

Mário Quintana

Aproveito minha falta de tempo para postar um texto de um dos melhores escritores que já existiu.

"Em todos os aeródromos, em todos os estádios, no ponto principal de todas as metrópoles, existe - quem é que nunca viu? - aquele cartaz.
De modo que, se esta civilização desaparecer e seus dispersos e bárbaros sobreviventes tiverem que recomeçar tudo desde o princípio - até que um dia também tenham os seus próprios arqueólogos - estes hão de sempre encontrar, nos mais diversos pontos do mundo inteiro, aquela mesma palavra.
E pensarão eles que Coca-Cola era o nome do nosso Deus!"

Mário Quintana

1 de março de 2008

Caixa de jóias

Se tinha algo que Ana amava era sua caixinha de jóias. Ela estava sempre cuidando, arrumando, limpando cada uma das suas preciosidades. Anéis, brincos, colares e pulseiras... Uma mais linda do que a outra! Porém quase ninguém sabia que ela as possuía, apenas os pais, que as haviam dado à filha, dizendo para ter cuidado com elas.
Ana tinha medo de usar as jóias e ser roubada, tinha medo que os outros as achassem feias ou que elas estragassem. Por isso, as escondia no fundo de um baú que ficava no porão da casa.
Um dia, seu pai estava procurando uns livros antigos e, ao dar uma olhada no baú, encontrou aquela caixinha cheia de lindas jóias.Então, pegou a caixa e as mostrou a filha perguntando porque aquelas jóias tão lindas estavam escondidas. Ela respondeu que tinha medo de usá-las e explicou ao pai os porquês.
O pai, então, explicou à filha que jóias como aquelas não deviam ficar guardadas, mas deviam ser usadas em ocasiões especiais. Explicou que cada uma delas tinha uma função, adornar a menina, e que, se não fossem utilizadas desse modo, de nada adiantaria tê-las, guardá-las na caixinha e apenas admirá-las lá. Ele também disse que elas eram únicas e ninguém mais possuía jóias iguais, mas cada pessoa tem as suas próprias jóias únicas. E que ninguém iria achar suas jóias feias, mas, caso o fizessem, ela não deveria se importar pois para ele eram as jóias mais lindas do mundo.
A menina agradeceu ao pai pelas jóias e pelos conselhos, prometendo que sempre as usaria, nunca deixaria de limpá-las, jamais as estragaria e elas nunca mais seriam escondidas.


O que você tem feito com as jóias que o Pai te deu? Tem as usado em "momentos especiais" ou as escondido com medo do que os outros vão pensar ou do que vai acontecer com elas?
Nosso Pai não nos dá as jóias para as mantermos escondidas onde só nós conseguimos ver, mas para as usarmos para cumprir a Sua vontade, para a Sua glória, para que todos saibam quem Ele é.

**Baseado em uma história criada pela Ká. Te amo, amiga! ;*

Caminho para a praia

- Tá, é agora! Dou esse passo e pronto, prossigo a trilha. Só esse passo! Vamos, vamos, não preciso ter medo! Agora!
Chegou a por o pé no novo caminho, não não saiu do lugar onde estava.
- Não... Não dá. Não sei o que tem ali do outro lado direito. Tudo parece maior, mais perigoso, estranho... desconhecido. O que os outros vão pensar se eu der esse passo? Vão achar que enlouqueci! Vão dizer: "Você não precisava ter ido por essa parte mais difícil da trilha, vá pelo caminho que já estava indo." Talvez eles estejam certos. Nunca caminhei por esses lados da trilha. Não sei o que tem por lá. Mas dá na mesma praia que todos queremos ir.
Pensou na praia. Como seria maravilhoso quando chegasse lá e, finalmente conhecesse o rei sobre quem tinha ouvido tanto falar. Diziam que ele era muito bondoso, ajudava a todos que vinham pedir ajuda, realizava banquetes aos famintos, dava de beber aos sedentos e convidava a todos para irem morar com ele, em seu reino que começava na praia e estendia-se até os montes distantes. Ela sabia que de algum modo só tinha chegado até onde estava graças à vontade de conhecê-lo, à inspiração e à força que sentia ao pensar nele. O problema é que, para chegar na praia, devia seguir as trilhas. Olhou novamente para a trilha mais difícil e sentiu que, apesar de tudo, era por onde devia caminhar.
- Sei que é mais difícil... Vou ter que abrir mão de muitas coisas que eu gostava de fazer na outra trilha. Lá eu podia parar na cachoeira, colher flores... Aqui, eu não sei se tem essas coisas. Mas sinto que tenho que ir por aqui. Se eu não for, posso até chegar à praia, mas será como se não estivesse completa, como se não tivesse feito o que devia fazer. Mas será que devo ir sozinha?
Neste momento, uma outra menina apareceu. Era loira, vestia-se muito bem e expressava um sorriso.
- Olá! Você também vai pra praia por aqui?
- Sim.. eh... acho que sim.
- Ótimo! Então vamos juntas. Eu estava com um pouco de medo quando cheguei, mas, quando te vi, pensei tudo ficaria mais fácil. Eu te ajudo quando você tropeçar e você me ajuda também.
- Legal. Acho que assim não terei mais medo também.
- Ah! Dizem que a praia é o melhor lugar para se estar! Não vejo a hora de tomar banho no mar, fazer castelos de areia, tomar água de coco! Vai se maravilhoso! E o melhor de tudo é que vamos conhecê-lo! Não vejo a hora! Vamos, então?
- Vamos!
Dar o temido passo foi muito mais fácil do que elas haviam imaginado. Então, foram. Quanto mais caminhavam, mais forte se tornava a sua amizade.
Neste caminho, não posso dizer que não tiveram medo. Havia momentos em que as dificuldades pareciam gigantes, e elas, insetos. Mas, mesmo assim, enfrentavam tudo com a força que havia nelas. Não posso dizer que não choraram, mas uma consolava a outra, ou choravam juntas e esperavam a tristeza ir embora na outra manhã. Não posso dizer que não houve tempestades, mas escondiam-se sob as enormes árvores até elas terminarem.
Algum tempo depois, chegaram à praia.

Sem nada pra fazer às 2 da manhã

Desculpem, mas, por enquanto, ainda não pus os textos em prática...
Só fico entrando em sites sobre vestibular... estou ficando viciada! Hahahaha!!

Resultados dos milhares de testes online que fiz:

Introvertido, Intuitivo,Emotivo, Perspicaz
O que se entregaVocê quer expressar seus pontos de vista e valores por meio do trabalho e ter controle sobre o processo e o produto final. Não gosta de apresentar seus resultados antes que estejam completos.Pontos fortes:- Prefere trabalhar em causas nas quais acredita.- Não abandona suas obrigações.- Comunica-se bem.Pontos fracos:- Tem dificuldade para planejar.- Perde facilmente o interesse se não acredita na causa.- É cabeça-dura.Profissões
Arquitetura e Urbanismo
Artes Cênicas
Biblioteconomia
Ciências Sociais
Design Gráfico
Fisioterapia
Fonoaudiologia
Jornalismo
Letras
Música
Naturologia Aplicada
Nutrição
Pedagogia
Psicologia
Serviço Social
Terapia Ocupacional
Tradução e Interpretação

--*--*--

GRUPO 4 - 11 pontos
Exibe maior interesse por profissões ligadas ao uso e domínio da língua (oral e escrita), como publicidade, relações públicas, jornalismo, letras etc.

GRUPO 5 - 8 pontos
Tem interesse por atividades artísticas, como cinema, teatro, música, arquitetura e artes plásticas

--*--*--

Comunicação
O principal interesse dos profissionais dessa área é transmitir informações e idéias da forma mais adequada possível para o seu público.
Cinema e Vídeo, Desenho Industrial, Design Gráfico, Jornalismo, Multimídia, Produção Editorial, Produção Cultural, Publicidade, Rádio e TV, Relações Públicas.

--*--*--

Fique atento à área de comunicações. Leve em conta profissões como:
Jornalismo
Publicidade
Propaganda e Marketing
Rádio e TV
Produção Cultural
Produção Editorial
Relações Públicas

--*--*--

Veja aqui algumas sugestões de carreiras que são adequadas ao perfil traçado por você
Jornalismo
Publicidade, Propaganda e Marketing
Rádio e TV
Relações Públicas

--*--*--

Jornalismo, jornalismo, jornalismo...

Tenho outra escolha?