1 de março de 2008

Caminho para a praia

- Tá, é agora! Dou esse passo e pronto, prossigo a trilha. Só esse passo! Vamos, vamos, não preciso ter medo! Agora!
Chegou a por o pé no novo caminho, não não saiu do lugar onde estava.
- Não... Não dá. Não sei o que tem ali do outro lado direito. Tudo parece maior, mais perigoso, estranho... desconhecido. O que os outros vão pensar se eu der esse passo? Vão achar que enlouqueci! Vão dizer: "Você não precisava ter ido por essa parte mais difícil da trilha, vá pelo caminho que já estava indo." Talvez eles estejam certos. Nunca caminhei por esses lados da trilha. Não sei o que tem por lá. Mas dá na mesma praia que todos queremos ir.
Pensou na praia. Como seria maravilhoso quando chegasse lá e, finalmente conhecesse o rei sobre quem tinha ouvido tanto falar. Diziam que ele era muito bondoso, ajudava a todos que vinham pedir ajuda, realizava banquetes aos famintos, dava de beber aos sedentos e convidava a todos para irem morar com ele, em seu reino que começava na praia e estendia-se até os montes distantes. Ela sabia que de algum modo só tinha chegado até onde estava graças à vontade de conhecê-lo, à inspiração e à força que sentia ao pensar nele. O problema é que, para chegar na praia, devia seguir as trilhas. Olhou novamente para a trilha mais difícil e sentiu que, apesar de tudo, era por onde devia caminhar.
- Sei que é mais difícil... Vou ter que abrir mão de muitas coisas que eu gostava de fazer na outra trilha. Lá eu podia parar na cachoeira, colher flores... Aqui, eu não sei se tem essas coisas. Mas sinto que tenho que ir por aqui. Se eu não for, posso até chegar à praia, mas será como se não estivesse completa, como se não tivesse feito o que devia fazer. Mas será que devo ir sozinha?
Neste momento, uma outra menina apareceu. Era loira, vestia-se muito bem e expressava um sorriso.
- Olá! Você também vai pra praia por aqui?
- Sim.. eh... acho que sim.
- Ótimo! Então vamos juntas. Eu estava com um pouco de medo quando cheguei, mas, quando te vi, pensei tudo ficaria mais fácil. Eu te ajudo quando você tropeçar e você me ajuda também.
- Legal. Acho que assim não terei mais medo também.
- Ah! Dizem que a praia é o melhor lugar para se estar! Não vejo a hora de tomar banho no mar, fazer castelos de areia, tomar água de coco! Vai se maravilhoso! E o melhor de tudo é que vamos conhecê-lo! Não vejo a hora! Vamos, então?
- Vamos!
Dar o temido passo foi muito mais fácil do que elas haviam imaginado. Então, foram. Quanto mais caminhavam, mais forte se tornava a sua amizade.
Neste caminho, não posso dizer que não tiveram medo. Havia momentos em que as dificuldades pareciam gigantes, e elas, insetos. Mas, mesmo assim, enfrentavam tudo com a força que havia nelas. Não posso dizer que não choraram, mas uma consolava a outra, ou choravam juntas e esperavam a tristeza ir embora na outra manhã. Não posso dizer que não houve tempestades, mas escondiam-se sob as enormes árvores até elas terminarem.
Algum tempo depois, chegaram à praia.

Um comentário:

  1. Saudades deste blog!

    Minha companheira de trilha, bom te ter por perto sempre!

    ResponderExcluir