11 de abril de 2008

Frase

Aquela frase saltou na folha do caderno do Biologia como se desse um grand jeté de dentro de mim. A escrevi muito rápido para não perdê-la , deixando as briófitas um pouco de lado. Comecei, então a procurar palavras, cores, músicas, estrelas que a pudessem completar. Mas tudo se apagou de repente. Como se alguém tivesse deletado as palavras da minha mente. Deletado as idéias, os pensamentos.
A frase ficou ali sozinha me olhando, questionando a minha capacidade de escrever, imaginando porque havia caído justamente nas minhas mãos... Era o seu fim. Sem idéias, sem texto. Ela seria mais um papel amassado.
Tentei enfeitá-la com palavras difíceis. Tentei separá-la, criando um possível hai-kai. Tentei rimá-la com outras palavras. Nada. Apenas nuvens na mente da autora.
Deixei estar. Guardei a folha.
Quem sabe o sol aparece qualquer dia desses?