29 de dezembro de 2009

Num clima conto-de-fadas


Muita gente reclama dos contos-de-fadas, mas a verdade é que graças a eles eu sempre fui sonhadora. Claro que já tenho certa pré-disposição a ser assim, mas, como desde pequena lia e via muitos contos-de-fadas, às vezes eu acho que tudo aquilo realmente pode acontecer.
Podem me chamar de antiquada ou iludida, mas a verdade é que, adaptado à nossa realidade - sem sapatos de cristal, objetos que falam ou sapos de verdade -, o conto-de-fadas pode acontecer.
Podemos ter amigas preciosas que nos ajudam durante nossa caminhada. Podemos - e vamos! -, encontrar o príncipe perfeito cujas qualidades superam os defeitos e cuja alma completa a nossa. Podemos enfrentar dificuldades e encontrar pessoas não tão legais assim. Podemos ter dias especiais que marcam pra sempre a nossa vida. Podemos chorar e sorrir. Podemos amar. Podemos sonhar olhando para as estrelas... Podemos presenciar milagres.
E acima de tudo, pelo menos de minha parte, posso dizer que no final serei FELIZ PARA SEMPRE!

10 de dezembro de 2009

Quero Voar!


Olho pra imensidão do céu e grito "QUERO VOAR!"
Então percebo quão pequenas são as minhas asas...

11 de novembro de 2009

Sobre as águas

Meio sem tempo pra postar... final de semestre é assim mesmo.
Deixo, então, um vídeo com a minha "música do momento"... Fiz uma dança solo com ela esses tempos e cada vez que ouço é uma nova descoberta de mim mesma, do que Deus tem pra mim.

22 de outubro de 2009

Fotografia
















"De todos os meios de expressão, a fotografia é o único que fixa para sempre o instante preciso e transitório. Nós, fotógrafos, lidamos com coisas que estão continuamente desaparecendo e, uma vez desaparecidas, não há mecanismo no mundo capaz de fazê-Ias voltar outra vez. Não podemos revelar ou copiar uma memória."

Henri Cartier-Bresson

7 de outubro de 2009

Grito forte destoando do zumbido irritante

Cansei de pré-requisitos
Cansei dos meus limites
Cansei das regras de ortografia
Cansei de teorias não postas em prática
Cansei de conceitos estabelecidos
Cansei de tentar agradar
Cansei das expectativas
Cansei de apenas ouvir
Cansei de apenas saber
Cansei da indiferença
Cansei da falta de sentido
Cansei da monotonia
Cansei de mim...

Agora é tudo posto pra fora. Grito forte destoando do zumbido irritante.

Não apenas um fósforo aceso cuja chama dura poucos segundos, mas uma fogueira em chamas, sendo constantemente abastecida de madeira e álcool. Não apenas palavras escritas em livros que nos levam a pensar no porquê de tudo, mas atitudes que mudem um pouco do todo e que talvez nem apareçam nos livros futuros. Chega dessas realidades imaginadas que duram poucas horas e nos deixam encantados com um mundo irreal de personagens inexistentes. Quero a loucura da realidade, a fraqueza e as diferenças das pessoas que clamam pela razão e que buscam o sentido da vida.

Supérfulos e vaidades cegam a juventude alienada, que acredita que, pelo fato de ter condições de ver filmes europeus e debater a política nacional, pode ser considerada sábia, um exemplo a ser seguido. Pois agora eu vejo! Mesmo que não totalmente, mesmo que ainda um pouco embaçado, eu vejo. E o verdadeiro exemplo não está nos teóricos nem nos inteligentes, que apenas conseguem escrever e falar, mas nada fazem para mudar realidades. O exemplo está em quem vive, pratica, demonstra o amor.

Música:

Aprender (Tanlan)

Coloque a culpa na história
Nos erros que o passado cometeu
Coloque a culpa nos reis de agora
Coloque a culpa no estado
Ou mesmo em tudo que é religião
Coloque a culpa no caos do acaso
Tanta gente já morreu
Sem nunca viver
E a razão já se perdeu
Sem nunca saber

Quando vamos aceitar
Todos temos tanto pra melhorar
Quando vamos entender
Antes de mudar
Temos que aprender

Alguém me mostre um alívio
Vivemos numa grande confusão
Como acabar com um problema antigo?
Não sabemos nem viver
Nada é o que parece ser
Não sabemos nem porque
Matar ou morrrer

Quando vamos aceitar
Todos temos tanto pra melhorar
Quando vamos entender
Antes de mudar
Temos que aprender a amar

5 de setembro de 2009

Esperança cor-de-rosa


Hoje eu vou andar tranquila
Fazer tudo sem pressa
Tempo pra respirar

Hoje eu vou olhar as flores
Parar nas vitrines
Sair por aí a cantar

Hoje não é nenhum dia de festa
Não tem sol na rua
Nem lágrima caiu

Hoje pode dar tudo errado
É quase primavera
No horizonte esperança surgiu

Esperança de uma vida diferente
Esperança de um sonho eterno
Esperança da flor que desabrocha
Esperança, esperança cor-de-rosa

21 de agosto de 2009

Na estação

Mais uma vez ela ajeita o cabelo. O vento está bagunçando seus cachos perfeitamente presos com um laço de fita azul, do mesmo tom do vestido que escolheu justamente para esse dia. Será que vai demorar muito? Mais uma vez senta-se no banco comprido, onde está sua família e sua pequena mala. É uma pena mamãe não tê-la deixado levar muitas coisas... "Apenas o essencial", repetia a mãe enquanto ela escolhia o que levaria consigo. Mas era tão difícil... Tudo naquele quarto possuía uma lembrança impregnada, muitas que só ela conhecia. Aquela colcha rendada e cor-de-rosa feita pela avó que havia ganhado no aniversário de 7 anos. Aquele livro pequeno cheio de gravuras de coelhos, seu primeiro livro, trazido pelo pai em uma de suas viagens. Aqueles sapatos velhos que usara para passear na primeira vez que fora na cidade grande. Agora havia ganhado sapatos novos, e, obediente, deixou-os em seu quarto de menina junto com suas bonecas, com as cartas de suas amigas, com os porta-retratos com fotos da família, com os livros que enchiam as tardes chuvosas de aventura. Claro que não pode resistir e colocou um livro na mala... Afinal de contas, o que iria fazer durante toda a viagem sem seu livro favorito, sem as palavras que a fizeram sonhar?
Olha para seus pais, apreensivos, sentados ao seu lado no banco. Estariam preocupados com a demora do trem ou com o fato de sua única filha mulher partir nessa tarde? Os conhecia bem. Se perguntasse diriam o primeiro motivo, querendo esconder o segundo. Nos últimos meses sentia que seu tempo ali naquela cidade interiorana estava acabando. Era preciso partir, era preciso mudar, era preciso trazer à tona seus sonhos. Sonhos inventados pelas páginas dos livros, sonhos gravados em páginas de diários escondidos no armário.
Lembra-se bem da manhã em que decidiu falar com o pai sobre a viagem. Lembra-se bem das suas palavras naquele dia. "Se este é o seu sonho, vá em frente", ele disse depois de um discurso envergonhado da filha. "Sim...", disse ela acanhada, gritando por dentro. Providências tomadas e, dois meses depois, aqui está ela na estação. Será que fez a escolha certa? Depois que pegar o trem não haverá mais retorno. Claro que poderá visitar os pais, mas sua vida já estará marcada. O sonho já será real.
Por um momento, vê-se criança, caem lágrimas dos olhos. Sente medo e vontade de correr para o pai dizendo que enganou-se, que desiste. Mas o choro aumenta se pensa em ficar. Sua mãe a abraça e diz que tudo ficará bem. Ela sabe que sim, mas chora... Um choro de transformação, um choro de alívio por algo que passou, um choro de esperança pelo que virá. O último choro de criança.
Nesse momento, entre lágrimas, abraços e poucas palavras ouve-se o ruído distante do trem. "Ele está chegando", ela diz, com um sorriso a iluminar seu rosto.

14 de agosto de 2009

Semente

- O que você vê?
- Uma semente. Pequena, escura, na palma da sua mão... É uma semente.
- Pense bem... Não vê nada mais?
- É uma semente né?
- Sim, mas não tem nada além disso?
- Claro que não! O que mais há para ver? Você está segurando uma semente na sua mão.
- Está bem (suspiro). Vou ter que te mostrar. Olhe bem para a semente.
- E? O que tem?
- Não é o que tem que importa, mas o que é.
- Quê?
- Você vê uma semente, certo?
- (Suspiro) Sim.
- Eu não. Agora feche os olhos e me ouça.
- Tá...
- O que tenho na minha mão é, na verdade, um pomar. Ou uma floresta, quem sabe... Imagine... Uma floresta com muitas árvores, onde animais vêm habitar, vêm se proteger, onde há frutos de vários tipos que servem de alimento para eles... Imagine que beleza!
- Eu acho que você tá viajando... É só uma semente. Ela pode não dar certo, não crescer, ou ser cortada, ou... Ah! Sei lá.
- Você vê fatos, eu vejo o potencial. Você vê uma semente, eu vejo uma floresta.

25 de junho de 2009

Ideologia

Busquei por muitos meios uma ideologia.
Procurei heróis em quem confiasse, mas homens falham, têm medo.
Conheci outras ideias, pensamentos, conceitos, mas eram sem sentido, sem vida.

Fiquei por um tempo sem norte.
Te via de longe, mas não compreendia como te encontrar realmente em meio a tantas palavras, na minha interna confusão de ideias.
Era necessário quebrar barreiras.

- Quebre as barreiras! - eu gritei.
- Eu te amo! Eu amo... - e as barreiras caíram.
Entendi.

Então corri, te abracei e descobri que não há nada maior.
Tu és o Eu Sou, que vê além, que tudo sabe, que se importa comigo, que ama.
Mais que um herói, um amigo.

Me ensinaste a tua ideologia, me deste o teu sonho.
Amor.

24 de junho de 2009

Uma família, um país, pessoas**

Eu estava sozinha sentada em um banco com o livro aberto em meu colo quando dei-me conta do que havia acabado de ler. Voltei algumas linhas e rê-li: “Estar sozinha é uma idéia desconhecida para Leila. Ela nunca, em nenhum lugar, esteve sozinha. Nunca ficou sozinha no apartamento, nunca foi sozinha a lugar algum, nunca foi deixada sozinha em lugar algum, nunca dormiu sozinha. Todas as noites dorme no tapete ao lado da mãe. Leila não sabe o que é estar só e nem sente falta disso”. Percebi o quão distante era a minha realidade da dessa moça afegã apenas um ano mais velha do que eu.
Os maiores choques de realidade ocorrem quando algo básico para um não é normal para outro, como ficar só em alguns momentos, por exemplo. No livro O livreiro de Cabul, de Asne Seierstad, esses choques ocorrem a todo instante. A cada página virada, descobrem-se extremas diferenças entre a nossa sociedade e a afegã. A educação, a submissão feminina e sua posição na sociedade, os rituais religiosos, os relacionamentos, o casamento, a liberdade de expressão e até mesmo os hábitos de higiene no Afeganistão impressionam o leitor ocidental. Durante a leitura, confesso que algumas vezes fiquei com raiva diante das injustiças cometidas com mulheres e jovens – baseadas em meus conceitos de justiça, claro.
O livro, lançado em 2006 no Brasil pela editora Record, foi escrito com base nos três meses em que a escritora e também jornalista norueguesa viveu na casa de uma família afegã, na primavera de 2002. Ao cobrir a guerra contra o Talibã no Afeganistão logo após o 11 de setembro, Seierstad conheceu Sultan Khan (nome fictício), dono de várias livrarias em Cabul. Por interessar-se pela história e modo de vida da família Khan, a jornalista foi recebida em sua casa a fim de escrever um livro. Por ser ocidental, a autora diz que era considerada um “ser bissexuado” que podia conviver e conversar com mulheres e homens, ou seja, sem a comum distância e separação mantida na cultura afegã. Lá ela vivenciou e descobriu várias situações que são descritas no livro com um misto de narrativa lírica e reportagem e que revelam a realidade de uma cultura que existe paralelamente à guerra, de uma face do país muitas vezes não mostrada aos ocidentais.
Sultan Khan é um homem culto, bem informado, que gosta da poesia e da história do Afeganistão. Passou por tortura e muitos de seus livros foram queimados na invasão soviética e no período do Talibã. Khan mantém diante da sua família a posição de superioridade conferida ao primogênito e ao marido, obrigando os filhos a trabalharem nas livrarias e não os deixando estudar, tratando a irmã mais nova como empregada, dando mais privilégios à segunda esposa, negociando o casamento das irmãs. Todas essas histórias são contadas como crônicas da vida afegã sob o olhar ocidental da autora norueguesa. Em nem todos os relatos Khan é o centro dos acontecimentos, pelo contrário, o destaque do livro são as mulheres. Mesmo assim, o título do livro nos remete ao livreiro, e assim é a família Khan. Mesmo com as duas esposas, os cinco filhos, a mãe, as irmãs e o irmão que moram no apartamento de quatro quartos de Sultan, ele permanece como a autoridade, o nome sobre todos na família. Sua palavra é lei.
De um modo mais amplo, Asne Seierstad retrata algo além das particularidades de uma família, ela retrata o Afeganistão, país afetado por constantes guerras, desde a saída dos britânicos e da invasão soviética até a interversão americana contra o Talibã e as conseqüentes lutas internas pela afirmação de um governo. É fundamentado no islamismo e, mesmo não estando mais sob o controle Talibã, mantém alguns costumes impostos pelos antigos governantes, como o uso da burca – traje também adotado pela autora para fazer-se “invisível” em Cabul.
Apesar de algumas dúvidas quanto à veracidade dos fatos relatados – alguns críticos supõem a invenção das histórias ou, pelo menos, de parte delas –, O livreiro de Cabul acrescenta aos ocidentais uma nova visão sobre a sociedade afegã, pois mostra que, além das guerras, das proibições, dos rituais islâmicos e dos casamentos arranjados, há uma senhora obesa que esconde tâmaras sob o tapete e as come escondida, há um jovem que odeia ser afegão, fuma e pensa muito em garotas, há uma adolescente assustada que vai casar-se com um homem de cinqüenta anos, há uma professora de biologia que viveu um grande amor e que foi proibida de trabalhar pelo governo. Atrás da cultura, há pessoas que, assim como todas as outras, sejam orientais ou ocidentais, sentem, pensam, sonham e vivem da sua maneira, ou da maneira que foram ensinadas a viver.





** Eu realmente não espero que alguém leia isso além do meu professor. Fiz para a cadeira de Ética em Comunicação e queria colocar em algum lugar...

8 de junho de 2009

Há um ano atrás

Há um ano atrás eu tinha acabado de ir ao Cirque de Soleil, presente que ganhei da minha tia. Lembro que saí mais cedo do cursinho, perdi, assim, dois períodos da minha "amada" Matemática, com um dos professores mais legais do curso. Lembro que pensei: "E se hoje, justamente hoje, o Mauro dá A matéria que vai me fazer ir bem na prova de Matemática? Azar... Pelo Cirque vale a pena." E valeu. E acho que a matéria dada no dia não foi tão importante. Acho que foi geometria plana, se é que eu sei ainda o que é isso, já que a parte mais exata do meu cérebro está atrofiando.
Há um ano atrás, como já disse eu estava fazendo cursinho e pensando que se eu não entendesse (lê-se: decorasse) Movimento Retilíneo Uniforme Variado, Ligações Químicas e Progressão Geométrica eu era uma ameba e iria rodar no vestibular. Não entendi, não decorei. Passei.
Há um ano atrás eu estudava História loucamente, visto ser minha matéria preferida e a que mais valia pra mim no vestibular. Fiz TODOS os exercícios de TODOS os livros do História do cursinho. Por esse motivo, achava que essa seria minha melhor prova, que com certeza faria mais de 20 questões das 25 do vestibular. Fiz 15. E quase passei toda a tarde chorando depois, achando que minha aprovação estava comprometida.
Há um ano atrás me sentia mal quando não conseguia entregar uma redação, afinal era difícil conciliar colégio e cursinho. Nos simulados, nunca ia muito bem apesar de todo o esforço. Notas sempre entre 66, 69. Fiz 80. E ainda vou escrever muito na vida.
Há um ano atrás tanto na escola quanto no cursinho houve milhares que aulas temáticas, palestras e abordagens do ano de 1968. Ditadura militar, AI-5, hippies nos EUA, maio parisiense, morte de Luther King... Ainda sei tudo. Já que todos esses fatos comemoravam 40 anos, era certo que ia cair na prova da UFRGS. Não caiu 68, nem mesmo Ditadura Militar.
Há um ano atrás, apesar de estar estudando para isso, não me imaginava um ano depois, fazendo artigos, seminários, relatórios, análises, resenhas, leituras, provas em uma universidade. Vislumbrava o futuro até o dia do vestibular, a partir dali tudo ainda estava embaçado. Entreguei meu primeiro artigo hoje, tenho milhares de xerox e um livro pra ler, quarta tenho que entregar um relatório, semana que vem tenho mais duas provas... e por aí vai.

Realidade: nunca podemos saber o que acontecerá em um ano da nossa vida. Tudo muda. Ele direciona. Eu faço minha parte e confio.

22 de maio de 2009

Criança

12 de outubro de 1998, 7 anos.
Querido Diário! Hoje foi um dia muito legal, porque é o dia das crianças!!! Também é feriado. Minha mãe disse que o feriado é por causa de uma santa, mas pra mim é porque é dia das crianças. De manhã minha mãe me deu a Barbie Rapunzel que eu queria. Ela é muito linda! No almoço teve batata frita e de sobremesa sorvete de chocolate. De tarde e tia Ana veio aqui com a Gabi, que é minha prima. Daí ela me pegou pra gente ir na Redenção e no parque. Me diverti muito! Minha vó também me deu um presente. Ela me deu o cd novo da Sandy que eu queria. Foi o melhor dia das crianças de minha vida toda!!!!!
Até amanhã!

12 de outubro de 2006, 15 anos.
Dia perfeito! Ou pelo menos o final... De manhã, a mãe veio com os papos de "dia das crianças". Será que ela não percebe que eu não sou mais criança? Dã. Ela ainda me deu dinheiro, disse que achava melhor que eu escolhesse o meu presente... De qualquer modo, saí com as gurias de tarde e depois fomos pra casa do Júlio. Acabei ficando por lá, claro. Certamente, o melhor "dia das crianças", nem tão criança.

12 de outubro de 2007, 16 anos.
Acordar com alguém chorando nem sempre é bom, a não ser quando é ela. Hoje ainda mais. E pensar que há um ano atrás eu jamais imaginaria isso. Tantos problemas, tantas lágrimas, rejeição, abandono... Mas eu jamais a abandonaria, jamais a mataria, nem adiantaria ele implorar mais! Mesmo tão pequena já ganhou tantos presentes! Só a minha mãe deu uns quantos! De repente, voltei a ter que comemorar dia das crianças, hoje é o primeiro dela. Pelo menos ainda não está pedindo Barbie. Hoje não sou mais eu que ganho presentes... só em maio.

**************************************

Tema para o Clube da Escrita: o melhor dia das crianças da minha vida

15 de maio de 2009

Oi, tem moeda?

Vermelho.
Tem moeda? Tá. Tem moeda? Brigado. Tem moeda? Tem moeda?
Verde.
Cinco moeda. A mãe me manda pegá bastante, mas me dá uma coisa. Eu disse pra ela. Ela disse pra eu pará de sê esvergonhada. Acho que é isso. Eu nem sei falá direito. Esses dias vi um cara que pedia que nem eu, só que ele não tinha uma perna, e ele tava segurando um papel com umas coisa escrita. Daí ele nem falava, só levantava o papel. Ia sê mais fácil assim. Não gosto de falá, me dá uma coisa na barriga, um nervoso. A Júlia sempre consegue mais. Ela faz mais cara de triste, fala meio chorando. Às vezes consegue até dinheiro de papel.
Vermelho.
Oi, tio, tem moeda? Brigada. Moeda? Tem uma moeda? Aham. É. Tá, pode sê um pão. Tá. Brigada. Tem moeda?
Verde.
Gosto quando dão comida. Quase nem como aqui. Não posso gastar as moeda, é tudo pro pai da Júlia. A Júlia é minha irmã. Mas o pai da Júlia não é meu pai. A mãe é mãe das duas. O meu pai eu não sei. A mãe nem fala dele. O ruim é que quando dão pão, não dão moeda junto. Tem gente que não gosta de dá moeda, eles diz: não vô te dá pra ti ficá se drogando! Mas eu nem sei. Sempre dei moeda pra mãe. Uma vez só gastei num chocolate. Daí a Júlia contou e eu apanhei do pai dela. Aquele idiota... Eu queria usá um papel que nem o cara sem perna que eu vi. Só que nem tenho papel, nem coisa de escrevê e nem sei escrevê. Nem a Júlia. Senão ela fazia pra mim.
Vermelho.
Oi, tem moeda? Oi, tem moeda? Brigada. Tem moeda? É pra comprá leite e comida. Brigada. Tem moeda? Então, me dá uma bolacha? Brigada.
Verde.
Acho que vô pedi pra Ana fazê o papel. Ela já foi na escola. Acho que não vai mais, mas deve sabê as letra. Ah! Tem também aquela moça, a Lisa, que mora ali na rua. Só que eu nunca vejo ela... Ela dá aula numa escola e tem aula de noite. Diz que ela faz faculdade, que vai sê rica um dia. Eu que tinha que sê rica. Mas parece que pra sê rica tem que fazê faculdade. Eu nem sei... Só queria escrevê num papel pra não precisá ficá falando. Quem sabe eu tenho que pará de sê esvergonhada mesmo...
Vermelho.
Oi, tem moeda?

************

Texto para o Clube da Escrita.
Tema: Sobre o que nunca vou escrever

Tear Down the Walls

Tear down the walls.
See the world.
Is there something we have missed?
Turn from ourselves.
Look beyond.
There is so much more than this.
And I don’t need to see it to believe it.
I don’t need to see it to believe.
Cause I can’t shake this fire deep inside my heart.
Look to the skies.
Hope arise.
See His majesty revealed.
More than this life.
There is love.
There is hope and this is real.
And I don’t need to see it to believe it.
I don’t need to see it to believe.
Cause I can’t shake this fire burning deep inside my heart.
This life is Yours.
Hope is rising as Your glory floods our hearts.
Let Love tear down these walls.
That all creation would come back to You.
It’s all for you.
Your Name is glorious, glorious.
Your Love is changing us, calling us.
To worship in spirit and in truth.
As all creation returns to You.
Oh or all Your sons and daughters.
Who are walking in the darkness.
You are calling us to lead them back to You.
We will see Your spirit rising.
As the lost come out of hiding.
Every heart will see this hope we have in You.
For Your Name is glorious, glorious.
Your Love is changing us, calling us.
To worship in spirit and in truth.
As all creation returns to You.

*****************************************

Desculpem por mais uma música, mas não deu pra ficar indiferente.
Novo CD do Hillsong United
A_Cross // the_EARTH: Tear Down the Walls

6 de maio de 2009

O Tapeceiro

Tapeceiro, grande artista,
Vai fazendo seu trabalho
Incansável, paciente no seu tear
Tapeceiro, não se engana
Sabe o fim desde o começo,
Traça voltas, mil desvios sem perder o fio

Minha vida é obra de tapeçaria,
É tecida de cores alegres e vivas,
Que fazem contraste no meio das cores
Nubladas e tristes
Se você olha do avesso,
Nem imagina o desfecho
No fim das contas, tudo se explica,
Tudo se encaixa, tudo coopera pro meu bem

Quando se vê pelo lado certo,
Muda-se logo a expressão do rosto,
Obra de arte pra Honra e Glória do Tapeceiro
Quando se vê pelo lado certo,
Todas as cores da minha vida
Dignificam a Jesus Cristo, o Tapeceiro

Música de João Alexandre

*************************************************

Como não poderia deixar de ser... estou fascinada com as músicas do João Alexandre.

5 de maio de 2009

Novo sonho


- Como posso sentir-me só contigo ao meu lado? - era o que Débora perguntava ao seu Amigo quase todos os dias.
- Sei que tu me guias, tu me amas, tu me ajudas em tudo. Estás sempre comigo. Mas, ultimamente, tenho sentido que falta algo.
Ele sempre mantinha-se em silêncio, mas naquela noite resolveu falar.
- Tenha paciência - disse o Amigo - Há um outro pedaço de vida que ainda não conheces. Há muito mais surpresas no teu caminho.
- Como faço para encontrar essa outra parte, então?
- Não sonhe mais só com você, veja além e descanse, nessa noite te darei um novo sonho.

Naquela noite, Débora sonhou um novo sonho: dois caminhos se encontravam de maneira inesperada e deixavam de ser dois para serem apenas um maior e mais belo.

29 de abril de 2009

Porque hoje é o dia dela!






Razão de muitos dos meus textos...
Talento.
Presente.
Expressão.
Instrumento.
Dança!
"Quando não há mais o que dizer, o corpo fala."

28 de abril de 2009

Duas músicas

Não sei tocar instrumento. Até arrisco cantar - um pouco. Ouço música o tempo todo e sempre estou com alguma na cabeça. Não conheço a música, mas acho que ela me conhece. Pode ser rock, jazz, reagge, clássica...
Enfim, melodia que toca... me toca, me dá passos, me faz dançar.

Durante a tarde, o pássaro canta, a chuva bate na janela, a criança grita na pracinha, o elevador chega no andar, a página é virada, alguém digita no computador, a moto passa...
Música do cotidiano que passa despercebida.
Grita, suspira, chora, clama, ri.
Melodia da vida.


*Clube da Escrita. Tema: Música

26 de abril de 2009

Semana

Sabe quando a semana é tão louca que é difícil de explicar, de expressar, de resumir? Eis alguns textos que escrevi para mim mesma para poder entendê-la.

..................................................................................................................................................................

Por maiores que sejam os obstáculos
Por piores que estejam as circunstâncias
Por mais impossíveis que sejam os sonhos
Por mais distante que esteja a vitória
A vida ainda vale a pena, pois não me pertence mais.

..................................................................................................................................................................

Estou morta. A dança esta morta. Meus textos estão mortos.

Descobri isso há uma semana e fui me convencendo desde então. Às vezes, insisto em voltar a viver e é aí que tudo dá errado. Se volto a viver, torno a matá-lo. Se morro, ele vive (e em mim!).
A cada dia busco mais minha morte (minha cruz), pra que não mais eu viva. Porque eu sou medíocre, incrédula, impaciente, vingativa, reclamona, pessimista, orgulhosa, arrogante, perfeccionista. Ele não, ele é perfeito.

Cristo vive em mim. Cristo vive na dança. Cristo vive nos textos.

(A dança está morta mesmo? Que bom. Significa que ele está vivendo.)

....................................................................................................................................................................

Eu quero isso! Não, aquilo. Mas esse também é bom...
Quero tudo ao mesmo tempo, como um oceano que engloba todos os outros.
Mas sou uma. Não sou Deus, onipresente, potente e ciente.
Sou só eu. Corpo, alma, espírito. Que acha que sabe alguma coisa. Que acha que quer alguma coisa.
Nada mais quero além de saber o que queres.
- Abra mão, seja constante, continue sonhando, siga meus passos, ame.
Eis-me aqui.

...................................................................................................................................................................

Desculpem-me pelos grandes devaneios aqui presentes... Apenas encontrei um lugar para por tudo isso para fora.

17 de abril de 2009

Eu escrevo


Sabe quando você sonha que está voando?
Do alto, você vê tudo mais claro, mais amplo. Você vê além, vê onde o mar e o céu se encontram – horizonte. Contempla as belezas e as tristezas da terra. Lá em cima, há mais liberdade para pensar, opinar, fantasiar, imaginar…
Escrever é como ganhar asas. Observar tudo ao redor e transformar em palavra, poesia, texto. Nuvens, estrelas, lágrima, sorriso, lápis, guarda-sol, pássaros. Tudo é uma nova razão de voo.
Quem disse que o homem não voa?
Eu escrevo.
“Quando na garganta a voz morre é a letra quem me traz à vida. Não cresci orquídea rara, sou irmã das margaridas.” Cecília Cassal
“Por que escrevo?” : 1º tema do Clube da Escrita da FABICO s2

3 de abril de 2009

Realidade

Às vezes, mergulho em outros mundos que experimento através das palavras. Lugares inabitados, cidades movimentadas, cidades pequenas, Paris. Lugares frios, chuvosos, quentes, agradáveis. Florestas densas, desertos, asfaltos, clareiras. Castelos, casas humildes, mansões modernas, quartos sem cama, salas de música, piano. Pessoas que me emocionam, que me dão raiva, que amam. Sol que se vai, lua que não aparece, encontros, desencontros, finais, inícios. Sonho estar voando, amando, vivendo em cada lugar desses.
Desperto. Estou andando, vivendo, sonhando acordada com minhas realidades existentes apenas nas páginas dos livros. Desanimo, choro... Que aventuras estou perdendo ao ficar acordada! Quero voltar a dormir, voltar a sonhar, voltar a ler!
Abro os olhos. Estou na minha realidade (ora rosa, ora azul). Realidade temida, realidade deixada de lado nos momentos de sonho, mas uma realidade. Feita de altos e baixos, sol e lua, dias e noites, lágrimas e sorrisos, águas doces e salgadas.
Pergunto-me: não seria minha vida um livro também? Sim, um livro que escrevemos juntos. Eu e o Autor. Eu com meus tropeços, Eles com suas promessas.

Amanhecer

Até aquele momento tudo era opaco. Rotina.
Algumas vezes escurecia ao redor. Incerteza.
Outras, eu mesma fechava os olhos. Medo.
Então, ouvi a tua voz. Amanhecer.
Vi os teus olhos. Certeza.
Acordei do sonho. Real.
"Eu te amo".
(Parece que falamos juntos...).
Corações ritmados, batendo como um só.
.
.
Um dia, irá amanhecer.

1 de abril de 2009

Nova Paisagem


Montanhas e vales já eram avistados ao longe, mas, por enquanto, Débora estava descobrindo a nova paisagem, observando cada flor, conhecendo cada companheiro de caminhada, experimentando sabores, lugares... Tudo era tão novo e tão real! Era a fase inicial, o deslumbramento.
"Cuidado, Débora. Nem todos os caminhos são seguros, você sabe."
"Sim, terei cuidado."
Lembrou-se, então, daquele dia com as pombas. Simples como a pomba e astuta como a serpente. Coragem. Força sobrenatural.
Promessas feitas, decisões tomadas, na nova paisagem Débora seguia...

25 de março de 2009

Oui, oui... Je l'aime!


*"As estrelas são todas iluminadas... Não será para que cada um possa um dia encontrar a sua?"

*"Os homens cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim e não encontram o que procuram. E, no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa."

"Se tu choras por ter perdido o sol, as lágrimas te impedirão de ver as estrelas."

*"O verdadeiro amor nunca se desgasta. Quanto mais se dá mais se tem."

*"Quando a gente está triste demais, gosta do pôr do sol..."

*"Amar não é olhar um para o outro, é olhar juntos na mesma direção."


Terceira obra literária mais traduzida no mundo (sendo a primeira a Bíblia e a segunda o livro O Peregrino).

Imagens… (?)

Teorias da Imagem… São muitas! A minha teoria? Sei onde encontrá-las, como usá-las e como interpretá-las. Não acredito realmente que precise entendê-las ou classificá-las.

Imagem 1.


De todos os tipos de imagens que venho estudando, confesso que meu preferido é a metafórica, a figura de linguagem, que utiliza-se de convensões para fazer comparações. Muitas vezes acabam sendo hipérboles, mas são válidas e fáceis de entender.


Estou me sentindo, portanto, como um “peixe fora d’água” nas aulas de Teorias da Imagem.


Imagem 2.



No período em que estava estudando para o vestibular, esta foi a minha imagem preferida. Quando a via, imaginava a mim mesma tentando estudar química ou física.


Passei no vestibular e deixei de usá-la. Até hoje.


Ela volta a ser minha representação, tentando entender Teorias da Imagem: signos, índices, códigos, pragmatismo, real, virtual… Quando acredito entender um pouco, um novo assunto vem à tona, me deixando mais confusa.


Conlcusão


Imagens que me representam tentando entendê-las.


****************************************************************


Desculpem a falta de criatividade. O início da faculdade é muito teórico, até agora não fiz um texto – tirando o texto sobre as férias (isso mesmo) para a cadeira de Ética e Legislação em Comunicação. Mas esperem pelo segundo semestre…

9 de março de 2009

Voando

Antes de começar, você está ansioso... Passa cada minuto do seu tempo imaginando como será, como você vai reagir, como isso vai te afetar, mudar, acrescentar... Se você é otimista, imagina tudo como um mar de rosas. Que maravilha será voar alto, ver o que nunca viu, sentir o ar no seu rosto, conhecer lugares, pássaros, nuvens, experimentar. Se você é pessimista (como eu), pensa que, assim que der um passo, vai escorregar; quando todos estiverem voando ao seu redor, você vai cair; quando tentar, não vai gostar; não quer experimentar o novo. Não quer sair do ninho confortável, mas teria como evitar esse dia?

Um dia antes você sonha. Pode ser, então, dois tipos de sonho. No primeiro, tudo vai bem. Você voa alto e gosta, se diverte. No segundo, você tem medo de abrir as asas, olha para o chão, não fala, cai e sai correndo.

Então, chega o dia. Ao acordar (será que você dormiu?), você se dá conta quão diferente está a atmosfera, os sons, as nuvens... Você se dá conta de todas as cores! E vai...

Decide lançar-se no desconhecido. Quando não sente mais o chão nos seus pés, percebe que suas asas são fortes e que, sim, elas o farão voar! Quantas noites mal dormidas poderiam ter sido evitadas se tivesse acreditado nelas antes! Mas isso já passou... Agora está voando e cada nuvem é uma surpresa, cada novo pássaro é um companheiro de jornada. Você voa sobre as cachoeiras, sobre as matas, sobre os oceanos... Tudo agora contempla com visão ampliada, carregada de sonhos e vontade de o voo não acabe tão cedo...

Primeiro dia de faculdade.


Jornalismo 2009/1

7 de março de 2009

Formas

Abaixo as formas!
Quadrados, círculos, triângulos, hexágonos...
Busco a disformidade do detalhe, do suspiro, da nuvem
Direfentes ângulos, ampliada visão
Quero linhas curvas, danças, mudanças
A vida sem formas
Barro sendo moldado

1 de março de 2009

Vento


Fecho os olhos e deixo que vento me leve. Ao abri-los, percebo que não estou onde queria, mesmo assim, ainda confio no vento.


Fecho os olhos novamente. O vento continua, intenso, a me carregar. Vai por caminhos que às vezes eu não entendo, não pega atalhos, sobe montes e desce vales. Até por desertos já me conduziu! Me leva por onde quer.



Eu confio.


"Não sei de onde vem, nem sei pra onde vai. Só sei que eu quero ir"

26 de fevereiro de 2009

Plástico

Ontem fui a uma famosa lancheria da Porto Alegre, comi salada de frutas com sorvete. Mas isso realmente não importa.
Ao redor do espaço com as mesas, havia vasos de flores muito bonitos, perfeitos (até demais). Sentei-me ao lado de um deles e então percebi. Eram flores de plástico, mas ninguém, além de mim, parecia reparar. No mesmo instante, lembrei-me do que ouvi recentemente sobre um jardim de plástico. De longe, é bonito como o natural, mas não há vida em seu interior. Ele não precisa passar pelas estações: não sofre no inverno e não desabrocha na primavera.

Perguntei-me porque o dono do estabelecimento escolhera flores artificiais para decorar sua famosa lancheria. Talvez seja pelo fato de não precisar cuidar. Ele as colocou ali e nunca mais se preocupou. É uma pena. As flores são tão belas e têm tão doce aroma! Quem dera fossem valorizadas ao invés de serem subtituídas por representantes de artificiais.


Estamos muito apressados para cuidarmos das flores com vida, elas podem dar trabalho. Estamos muito apressados para repararmos que as flores ao nosso redor são de plástico.

De longe, todas são iguais.

Vemos tudo de longe, mas a vida está nos detalhes.

25 de fevereiro de 2009

Saudade


Pôr-do-sol, crepúsculo, viração do dia.

O sol se vai,
O céu explode,
Mudando tudo ao nosso redor.
Melancolia.
Saudade
De quem o pintou.

14 de fevereiro de 2009

Então, eu olho para as estrelas

Aproveito essa solidão para pôr as idéias no lugar. Sou uma pergunta sem resposta, buscando algo além do ponto de interrogação que, finalmente, me explique. É noite, então, eu olho para as estrelas.

Ah, as estrelas! Tanto me encantam, mas hoje me instigam. Há algo de diferente. Olho ao meu redor... sozinha. Em meio a multidão que grita, ri, chora, corre, vive... sozinha. Será, estrelas amigas, que vocês farão por mim o que eles não fazem? Não... Vocês apenas podem até escutar minhas perguntas, mas nunca me responderão. Sinto que elas tentam me dizer algo. Então, eu olho para as estrelas... mas, nada.

Dentro de mim, a mesma escuridão da noite ali fora.

Então, eu olho para as estrelas...


E vejo mais alguém.

26 de janeiro de 2009

Sinto muito

Sinto muito por não estar no seu padrão. Estar fora dele é o que me deixa mais feliz!
Sinto muito por não ter lido tantos livros filosóficos, ou não ter visto tantos filmes europeus. Ainda não conheço muitos. Acabei de sair do 3º ano...
Sinto muito por não ir às suas festas. Elas simplesmente não me satisfazem e o que acontece nelas me dá ânsia de vômito.
Sinto muito por não conhecer nenhuma das músicas das suas bandas favoritas. Elas não me fazem crescer e nem me acalmam quando estou mal.
Sinto muito por não conhecer a marca da sua cerveja. Ela não passa na garganta.
Sinto muito por não falar como você. Meu jeito de falar denuncia a quem pertenço.
Sinto muito por não aceitar suas teorias de felicidade, de amor e de vida. Tenho as minhas; se quiser ouvi-las, falo com prazer.
Sinto muito por me achar careta, quadrada ou sem graça. Meu objetivo não era mesmo te conquistar.
Sinto muito por acreditar no que você não acredita. Pra mim, ELE é mais real do que você.
Sinto muito por ler e até citar algo que você nunca leu, ou, se leu, não entendeu. Isso é apenas a base de todas as minhas certezas.
Sinto muito por ficar tranqüila quando todos estão apavorados. Minha paz excede todo o entendimento.
Sinto muito por parecer infantil às vezes. O lugar pra onde eu vou depois pertence àqueles que são como crianças.
Sinto muito por ter compaixão dos outros, por ser idealista, por acretidar que há uma resposta. A fé e o amor estão cravados em mim.
Sinto muito por não rir das suas piadas, nem participar das suas brincadeiras. Você não teve criatividade para fazer algo sem apelar para o ridículo, ou humilhar.
Sinto muito se você não gostou de mim. Os incomodados que se convertam!



"Nem mãos de reis
Nem medo pra me fazer desistir
Irão me tocar
Porque tem FOGO ao meu redor"


Posso comer apenas vegetais, continuarei forte.
Posso entrar na fornalha, não me queimarei.
Posso ir à cova dos leões, não tenho cheiro de carne.

21 de janeiro de 2009

A montanha

Dali ela viu os campos verdejantes... E como eram lindos! Poderia, finalmente descansar! Banhar-se naquele rio cristalino. Lavar o corpo e a alma, ambos cansados da difícil caminhada dos últimos meses. Débora ainda podia se lembrar de algumas pedras difíceis que teve de subir para conseguir escalar a montanha como deveria. Claro que, graças àquela troca de roupas, estava vestida apropriadamente. Seu vestido infantil de outrora se rasgaria todo naquela situação.

Deitada em meio aos lírios, recordava o momento em que avistava a montanha. Ao mesmo tempo que desejava evitá-la, queria subir, queria se aventurar de verdade, queria o que sabia que havia do outro lado. Então foi. No início não era tão difícil como ouvira falar, talvez seja porque já estivesse bem preparada, ou porque esperasse obstáculos piores. No entanto, no decorrer da subida, as rochas tornaram-se mais difíceis de escalar, suas forças já não eram as mesmas, estava cansada da mesma vista todos os dias... Tudo parecia não cooperar para que Débora alcançasse o pico. Havia armadilhas por todos os lados! Algumas vezes, enfraquecida, Débora quase caiu em muitas delas, mas foi salva pelo mestre e amigo que a acompanha sempre.
No caminho, fez amizade com outros que como ela subiam a montanha e com os próprios animais habitantes da montanha. Com os primeiros compartilhou alegrias e tristezas, recebeu e deu auxílio e manteve acesa a esperança. Com os segundos, aprendeu o caminho a seguir, a escapar das armadilhas e a acertar os atalhos. Porém, mesmo que eles lhe ajudassem ela sempre contava com um auxílio extra de seu velho amigo de todas as horas, que a escutava, a ensinava e a enchia de paz e certeza, dando-lhe forças a cada dia.
Quando chegou ao pico, contemplou a vista: os verdes campos que tanto sonhara! Mas ainda lhe faltavam os últimos testes: a decida, que podia ser tão traiçoeira quanto a subida. Um passo em falso poderia fazê-la rolar montanha abaixo e não chegar inteira ao pé da montanha, não podendo aproveitar tudo o que buscava. Débora caminhou, então, medindo cada passo dado, com cautela e prudência. Algumas vezes, tropeçou, mas não caiu.
Agora estava lá nos verdes campos em que corria um rio tranquilo, um lugar de paz e calmaria, onde podia fortalecer-se. Sim, fortalecer-se, pois a jornada não termina aqui. Logo adiante Débora já avistou vales profundos, montes íngremes e rios bravos, nos quais deverá se aventurar. Mas ela não teme. Foi vitoriosa em uma das mais altas montanhas da região e confia em seu amigo. É por ele que está aqui, é por ele que chegará ao final do caminho.

**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-**-

** Só pra avisar! Estou viva e não pretendo abandonar o blog... Era apenas um tempo longe. Os fins justificaram os meios aqui: deixei o blog um pouco de lado para me dedicar mais para o vestibular. Resultado disso tudo? 13º lugar em Jornalismo na UFRGS!

Provérbios 21:31!
Salmo 20!
Daniel 1!