25 de março de 2009

Oui, oui... Je l'aime!


*"As estrelas são todas iluminadas... Não será para que cada um possa um dia encontrar a sua?"

*"Os homens cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim e não encontram o que procuram. E, no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa."

"Se tu choras por ter perdido o sol, as lágrimas te impedirão de ver as estrelas."

*"O verdadeiro amor nunca se desgasta. Quanto mais se dá mais se tem."

*"Quando a gente está triste demais, gosta do pôr do sol..."

*"Amar não é olhar um para o outro, é olhar juntos na mesma direção."


Terceira obra literária mais traduzida no mundo (sendo a primeira a Bíblia e a segunda o livro O Peregrino).

Imagens… (?)

Teorias da Imagem… São muitas! A minha teoria? Sei onde encontrá-las, como usá-las e como interpretá-las. Não acredito realmente que precise entendê-las ou classificá-las.

Imagem 1.


De todos os tipos de imagens que venho estudando, confesso que meu preferido é a metafórica, a figura de linguagem, que utiliza-se de convensões para fazer comparações. Muitas vezes acabam sendo hipérboles, mas são válidas e fáceis de entender.


Estou me sentindo, portanto, como um “peixe fora d’água” nas aulas de Teorias da Imagem.


Imagem 2.



No período em que estava estudando para o vestibular, esta foi a minha imagem preferida. Quando a via, imaginava a mim mesma tentando estudar química ou física.


Passei no vestibular e deixei de usá-la. Até hoje.


Ela volta a ser minha representação, tentando entender Teorias da Imagem: signos, índices, códigos, pragmatismo, real, virtual… Quando acredito entender um pouco, um novo assunto vem à tona, me deixando mais confusa.


Conlcusão


Imagens que me representam tentando entendê-las.


****************************************************************


Desculpem a falta de criatividade. O início da faculdade é muito teórico, até agora não fiz um texto – tirando o texto sobre as férias (isso mesmo) para a cadeira de Ética e Legislação em Comunicação. Mas esperem pelo segundo semestre…

9 de março de 2009

Voando

Antes de começar, você está ansioso... Passa cada minuto do seu tempo imaginando como será, como você vai reagir, como isso vai te afetar, mudar, acrescentar... Se você é otimista, imagina tudo como um mar de rosas. Que maravilha será voar alto, ver o que nunca viu, sentir o ar no seu rosto, conhecer lugares, pássaros, nuvens, experimentar. Se você é pessimista (como eu), pensa que, assim que der um passo, vai escorregar; quando todos estiverem voando ao seu redor, você vai cair; quando tentar, não vai gostar; não quer experimentar o novo. Não quer sair do ninho confortável, mas teria como evitar esse dia?

Um dia antes você sonha. Pode ser, então, dois tipos de sonho. No primeiro, tudo vai bem. Você voa alto e gosta, se diverte. No segundo, você tem medo de abrir as asas, olha para o chão, não fala, cai e sai correndo.

Então, chega o dia. Ao acordar (será que você dormiu?), você se dá conta quão diferente está a atmosfera, os sons, as nuvens... Você se dá conta de todas as cores! E vai...

Decide lançar-se no desconhecido. Quando não sente mais o chão nos seus pés, percebe que suas asas são fortes e que, sim, elas o farão voar! Quantas noites mal dormidas poderiam ter sido evitadas se tivesse acreditado nelas antes! Mas isso já passou... Agora está voando e cada nuvem é uma surpresa, cada novo pássaro é um companheiro de jornada. Você voa sobre as cachoeiras, sobre as matas, sobre os oceanos... Tudo agora contempla com visão ampliada, carregada de sonhos e vontade de o voo não acabe tão cedo...

Primeiro dia de faculdade.


Jornalismo 2009/1

7 de março de 2009

Formas

Abaixo as formas!
Quadrados, círculos, triângulos, hexágonos...
Busco a disformidade do detalhe, do suspiro, da nuvem
Direfentes ângulos, ampliada visão
Quero linhas curvas, danças, mudanças
A vida sem formas
Barro sendo moldado

1 de março de 2009

Vento


Fecho os olhos e deixo que vento me leve. Ao abri-los, percebo que não estou onde queria, mesmo assim, ainda confio no vento.


Fecho os olhos novamente. O vento continua, intenso, a me carregar. Vai por caminhos que às vezes eu não entendo, não pega atalhos, sobe montes e desce vales. Até por desertos já me conduziu! Me leva por onde quer.



Eu confio.


"Não sei de onde vem, nem sei pra onde vai. Só sei que eu quero ir"