10 de outubro de 2010

Borboleta


O som, o tom, a melodia
Não mais parecem iguais
Algo mudou nessa sinfonia
Escrita há anos atrás

O cor-de-rosa tornou-se vermelho
A flor desabrochou
Passo, passo, um piscar de olhos
Coreografia mudou

Tudo cresce, amadurece
Lagarta vira borboleta
João, Maria, a Chapeuzinho
Virou Romeu e Julieta

3 comentários:

  1. Ah, Bruna, que poema delicado e bonito. E pensar que, realmente, o tempo passa por meio das cores das histórias...
    Me fez lembrar de uma música da Ana Carolina em que ela dizia que "O tempo passa e engraxa a gastura do sapato/Na pressa a gente nem nota que a Lua muda de formato/Outro mês aponta na folha do calendário/As senhoras vão trocando o vestuário/As meninas viram a página do diário/Tudo cresce e o início/Deixa de ser início/E vai chegando ao meio/Aí começo a pensar que nada tem fim"...

    Um abração pra ti e bom feriado, poetisa!

    ResponderExcluir
  2. Algo mudou nessa sinfonia...
    A mistura do Belo com a Suavidade de mudanças.
    Lindo, muito lindo. Posso fazer uma peça? hehehe
    Beijão

    ResponderExcluir
  3. Nada é igual para todo o sempre.
    Tudo muda o tempo todo...

    amei o texto!
    =)

    Vc escreve mto bem!

    bjãO linda!
    -Passa la no meu, tem texto novo!

    ResponderExcluir