30 de janeiro de 2011

Menina de gelo


Menina de gelo, olhos fechados, pele fria, congelada de medo, inacessível.

Menina de gelo, mantém todos distantes, sopra frio e fala flocos de neve.

Menina de gelo, secretamente chora lágrimas de cristal, à espera do raio de sol que a transforme em rio corrente.

Menina de gelo, até quando sustentarás a tua frieza, calando a pequena chama acesa dentro de ti?

24 de janeiro de 2011

Livro grosso

Qual seria a graça se o caminho fosse fácil?
Que história haveria de ser contada depois de tê-lo percorrido?
Quero um livro grosso e não um bloco de anotações.

21 de janeiro de 2011

Toque final

O processo é difícil.
Detalhes pensados, calculados.
Leva até um bocado de tempo.
Monta, desmonta.
Começa embaixo, volta pra cima.
Dá a volta, reescreve.
O bolo está pronto.
O poema escrito.
A árvore montada.
Agora o toque final.
Simplicidade.
Um, dois, três e... pronto!
Estrela da árvore de natal.
Chave de ouro do poema.
Cereja do bolo.
Agora pode começar a festa.

7 de janeiro de 2011

Textos idiotas

Me perdoem. Tenho escrito textos idiotas.
É sério. Não adianta tentar me animar...

O que acontece é que me deparo com essa tela em branco - mente em branco. Começo a digitar as maiores besteiras que consigo pensar, apenas para preenchê-la de letras. Geralmente, com palavras nas mãos me sinto livre... Agora elas me escapam.

Parece que falta algo no enredo.

Claro que tudo pode dar num texto! Não é esse o ponto, entenda. É possível encontrar frases nas situações e paisagens mais diversas. Mas parece que já falei demais de tudo isso. Esgotei. E tudo acaba indo pro mesmo lugar...

Falta um coração ritmado.
Falta um solo de guitarra.
Falta a falta de ar.

Falta outro pedaço de vida que ainda não encontrei.