12 de julho de 2011

Sal da terra

"Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar?" Mateus 5:13a


Esta foi a identidade que Jesus nos deu: sal da terra. Mas Ele segue a frase com uma pergunta: se o sal foi insípido, com que se há de salgar? E se vocês não fizerem a diferença? A quem enviarei?
Sempre há como perceber se a comida está sem sal, ela fica sem graça, sem sabor. Assim é a nossa vida sem o tempero da palavra de Deus. Assim estão aqueles que não conhecem o Senhor. E, se a nossa vida e as nossas palavras não estiverem temperadas com esse sal, e não servirmos de tempero ao mundo, quem há de temperá-lo? Quem há de influenciar as pessoas? Se a Igreja não salga, outros insípidos influenciam os que já estão sem tempero.
Nesses últimos dias tenho ouvido muito sobre a Igreja tomar posição, compreender o chamado que Deus nos fez de sermos a diferença do mundo, marcar as pessoas, pregar o Evangelho puro, simples e verdadeiro, ser sal da terra.
Ouvi sobre a Cultura do Reino, que muito se difere da cultura evangélica, das tradições, da religiosidade, do sentar no banco domingo e voltar para casa do mesmo jeito. Nada tem a ver com fazer muitas coisas também. Cantar, dançar, interpretar, escrever, pregar! De nada vale se não estamos salgando vidas.
Em primeiro lugar, para quem vive a Cultura do Reino, cristianismo não é religião, mas relacionamento com o Deus vivo. Quem vive a Cultura do Reino anda em santidade e vive a transformação de dentro para fora. As oportunidades não são perdidas, pois o amor genuíno, vindo de Deus, os leva às pessoas. E assim, todas as ferramentas que Deus nos deu viram um meio para chegarmos à finalidade: salgar a terra, marcar pessoas, influenciar vidas.
Minha oração é para que façamos parte dessa geração que vive a Cultura do Reino, que deixa de viver uma vida egoísta, para conhecer profundamente o Senhor e, assim, fazer a diferença.