28 de janeiro de 2015

Independentes

Vejo os meus sonhos espalhados pelas ruas. Ganharam independência e foram morar com outras pessoas. Fugiram de mim e da minha inércia. Fugiram do meu medo e da minha inconstância.
Meus sonhos são felizes agora, pois são realidade. São vida, são ar puro. São passos dados para longe. São sorrisos, são histórias.
Vejo-os de longe, imaginando como seria vivê-los. Aceno, mas eles não me reconhecem, pois não me pertencem mais.
A lágrima no canto do meu olho me faz lembrar que um dia sonhei e que tudo tinha aquela cor diferente. Como faço para voltar a ver o mundo como uma página em branco, pronto para ser inventado?
Os sonhos me escaparam enquanto eu dormia. Despertei e não consigo lembrar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário